A República Tcheca está no jogo pelo Prêmio UE de Arquitetura Contemporânea

A República Tcheca está no jogo pelo Prêmio UE de Arquitetura Contemporânea

Vila Tugendhat e Pavilhão Barcelona

HomeWhat's NewA República Tcheca está no jogo pelo Prêmio UE de Arquitetura Contemporânea
A sede dos vidreiros na cidade de Nový Bor, no norte da Boêmia, masmorras redondas originais nas margens de Praga, uma vinícola, uma prefeitura, um museu ou um jardim de infância: esta é apenas uma seleção dos edifícios que representam a República Tcheca na nova edição do prestigioso concurso Mies van der Rohe Award.
Venha não só conhecê-los mais de perto, mas também os favoritos e vencedores das edições anteriores. Com certeza não vamos deixar de lado nem a famosa vila Tugendhat, uma autêntica marca do arquiteto Ludwig Mies van der Rohe e o único edifício moderno do país inscrito na lista do Patrimônio Cultural Mundial da UNESCO.



O concurso para o Prêmio da União Europeia de Arquitetura Contemporânea – Prêmio Mies van der Rohe é organizado pela Comissão Europeia desde 2001 em cooperação com a Fundació Mies van der Rohe de Barcelona. O prêmio é concedido a cada dois anos e nele os jurados premiam os melhores projetos nos países europeus. Se fosse um ano como qualquer outro, a mais prestigiosa mostra de arquitetura do velho continente já teria publicado uma lista de finalistas. Só que a edição atual será diferente: não só incluiu edifícios da Armênia, Moldávia e Tunísia, mas nem mesmo o número de 449 obras de 41 países é definitivo. Como a construção e a avaliação são complicadas pelas medidas do coronavírus, os organizadores prorrogaram os prazos. A nova condição é que as obras sejam concluídas entre outubro de 2018 e abril de 2021, sendo que em setembro deste ano a comissão publicará outros projetos indicados. Conheceremos os resultados somente na primavera de 2022.

Os onze tchecos

Onze edifícios erguidos nos últimos anos na República Tcheca podem receber o prestigioso prêmio Mies van der Rohe Award. Por exemplo, a casa de vidro e sede da empresa de vidro Lasvit em Nový Bor, agraciada com o Prêmio Principal do Prêmio Tcheco de Arquitetura 2020, o Memorial Jan Palach em Všetaty, a nova sede da Vinícola Lahofer perto de Znojmo ou os diques renovados de Praga.
Como os organizadores da prestigiosa mostra europeia estão bem cientes de que os edifícios e infraestruturas são responsáveis por pelos menos 40 por cento de todas as emissões de gases de efeito estufa, na edição atual os principais protagonistas são os projetos onde o design anda de mãos dadas com a sustentabilidade. O Prêmio Mies da União Europeia dá assim luz verde, acima de tudo, à reconstrução, adaptação e transformação dos edifícios existentes. Os onze tchecos são representados, por exemplo, pela nova prefeitura de Praga 7, que surgiu da reconstrução de um antigo prédio administrativo, ou pela antiga cervejaria e construção técnica no centro de Znojmo que os arquitetos Chybík + Krištof transformaram no bar de vinhos Enotéka. Também tem sua história a vila da Primeira República, transformada em uma „casa de família em espartilho de aço“; ao contrário, dos novos edifícios vale a pena mencionar e ver o jardim de infância no distrito de Vratislavice nad Nisou, em Liberec. Lembra um pouco o Lasvit de Nový Bor: os arquitetos Petr Stolín e Alena Mičeková usaram uma leve fachada de fibra de vidro semelhante ao seu projeto mais antigo Zen-Houses (agraciado com o Prêmio Tcheco de Arquitetura na primeira edição do concurso).

Vila Tugendhat e Pavilhão Barcelona

Quando um orçamento ilimitado, um arquiteto de renome mundial e um presente de casamento para a filha de um rico industrial se juntam, surge a vila Tugendhat: o edifício projetado pelo arquiteto Ludwig Mies van der Rohe (1886–1969), concluído em 1930, custou cinco milhões de coroas, pelas quais dezenas de casas de família poderiam ser adquiridas naquele momento. Mesmo que as visitas ao único monumento moderno da UNESCO na República Tcheca estejam interrompidas agora, você pode reservá-las e começar a ansiar por elas. Uma visita ao edifício funcionalista de Brno, que pertence às obras básicas da arquitetura mundial e em seu tempo mudou os padrões de moradia moderna, é uma experiência real.
Quando se trata da vila Tugendhat, do famoso arquiteto e do Prêmio Mies van der Rohe, é hora de conhecer o edifício com o qual já estava sendo comparado na época do surgimento da vila: o pavilhão alemão projetado por Mies van der Rohe para a Exposição Internacional de Barcelona. Ambos os edifícios foram criados no escritório de Mies ao mesmo tempo e estavam unidos por características formais importantes e uma nova concepção do espaço arquitetônico. Só que, enquanto a vila permaneceu, o pavilhão de Barcelona foi desmontado após o final da exposição. No entanto, à medida que a fama internacional de Mies foi crescendo gradualmente durante o século XX, os vereadores de Barcelona também perceberam que o pavilhão poderia ser uma grande atração turística, e então sua réplica foi criada na década de 1980. O parentesco com a vila Tugendhat é inquestionável, desde a forma de colunas cromadas, passando por combinações de vidro, ônix, travertino e vários tipos de mármore, até o ícone do mobiliário moderno desenhado por Mies, a poltrona Barcelona. É bastante simbólico que os Prêmios da União Europeia de Arquitetura Contemporânea sejam entregues justamente no Pavilhão Barcelona de Mies.

Candidatos conhecidos e desconhecidos da edição de 2019

O Prêmio da União Europeia de Arquitetura Moderna foi atribuído pela primeira vez em 1987 e até agora nenhum edifiício tcheco jamais foi premiado. Mas você certamente conhece alguns candidatos do país: doze deles foram incluídos na edição passada; ao acaso, o Centro de Arte Contemporânea DOX em Praga, o Kinonekino em Planá, a estação superior do teleférico em Pustevny, a moderna igreja de São Venceslau em Sazovice, a torre de reservatório de água de Letná, a pensão Štajnhaus em Mikulov ou a sala de caldeira multifuncional em Libčice nad Vltavou, e em Praga a torre de observação Doubravka de Černý Most e a casa multifuncional Drn. Mas um júri internacional composto de arquitetos, jornalistas e teóricos surpreendeu a todos: o vencedor do prêmio de 2017 foi a reforma de um enorme bloco de apartamentos de quatrocentos metros de comprimento em Amsterdâ por uma equipe de arquitetos locais. Pela primeira vez na história dos prêmios Mies van der Rohe não foram premiados novos edifícios, mas edifícios mais antigos. Essa tendência vai continuar? Resta a não ser esperar pela próxima edição.