Enfeites de contas tchecas

Enfeites de contas tchecas

Ornamentos únicos da República Tcheca inscritos na lista de patrimônio cultural imaterial da UNESCO

A fabricação de vidro e a produção de cristais têm uma longa tradição na República Tcheca. E na área perto das Montanhas dos Gigantes, na localidade de Poniklá, está viva até os dias de hoje uma tradição completamente única, que não tem igual em todo o mundo. Aqui está sediada a empresa Rautis, que produz enfeites de contas de vidro. Apenas um número reduzido de pessoas conhece os segredos da fabricação e, graças a isso, os produtos são únicos.

Contas de vidro da Boêmia

Na localidade de Poniklá, na Boêmia do Norte, a tela produziu-se desde a Idade Média. Mas, com o tempo, as fábricas locais especializaram-se na produção de contas de vidro porque ganhavam mais dinheiro com elas. No início do século XX, mais de 400 famílias viviam da confecção de pérolas e da produção de bijuterias em Poniklá e seus arredores. Um hábil fabricante de pérolas era capaz de produzir até três mil e quinhentas contas por dia de vários formatos – desde alongadas e em forma de pêra até redondas, pequenas e grandes, em vidro transparente, colorido, liso e serrilhado. As miçangas eram utilizadas para fazer colares, broches e alfinetes para chapéus e em brincos ou para decorar trajes e figurinos teatrais. Somente na primeira metade do século XX é que a maior parte da produção foi reorientada para decorações festivas.

Como surgiu o primeiro ornamento?

Quem foi o primeiro a pegar o fio, amarrar contas nele e produzir a primeira decoração de Natal? Não saberemos. Mas já se passaram mais de cem anos desde que contas de vidro foram amarradas em um arame, moldadas para formar estrelas, figuras ou animais coloridos e brilhantes. As contas começaram não apenas a ser sopradas, mas também prateadas, pintadas, cortadas e moldadas nas mais diversas formas. Famílias inteiras estiveram envolvidas no trabalho e, de formas simples, os fabricantes de pérolas foram gradualmente abrindo caminho até invenções mais complexas. Hoje, quase tudo que lhe vem à mente e que se adequa ao Natal e às festas é feito de miçangas.

Feito à mão mesmo no século XXI

Os enfeites são produzidos até hoje em Poniklá, no sopé das Montanhas dos Gigantes, como antes. Mesmo depois de mais de cem anos, os desenhos favoritos são os mais clássicos, principalmente estrelas de Natal e flocos de neve. Na fábrica de Poniklá são produzidas até 150 mil peças desses enfeites por ano, de acordo com 20 mil padrões. Os enfeites não são os mais baratos, mas é preciso levar em consideração que, qualquer que seja a peça, é um original feito à mão. E como os enfeites são produzidos hoje? Uma vez por mês, a empresa Rautis de Poniklá entrega vidro novo ou moldes para sopro aos sopradores e especifica o que deve ser produzido. As contas acabadas, juntamente com o material necessário, são recolhidas por cortadores e enfiadores que criam as peças mágicas que depois são transportadas de volta para a empresa, onde são embaladas e viajam pelo mundo. O processo de produção é muito semelhante ao das fábricas há muito extintas. As pessoas já não se deslocam à fábrica, o trabalho vai até elas – todos em casa fazem o que sabem.

Miçangas como patrimônio cultural

O processo de produção e a própria produção são tão únicos que as decorações com miçangas da localidade de Poniklá foram inscritas (em dezembro de 2020) na lista do patrimônio cultural imaterial da UNESCO.
Você também pode vir aqui e admirar uma arte quase perdida. A Rautis, como último fabricante de enfeites de vidro em Poniklá, oferece um espetáculo de decorações de Natal feitas à mão com contas de vidro em um só lugar. Além disso, você pode provar a sua própria imaginação e habilidade em um criativo workshop ou obter um dos kits de hobby na loja da empresa em Poniklá ou na e-shop www.rautis.cz e criar decorações delicadas no conforto da sua casa.
Florestas de faias nas montanhas Jizera
Coisas semelhantes para fazer

Florestas de faias nas montanhas Jizera

A UNESCO na República Tcheca protege monumentos históricos e localidades naturais. As vegetações de faias no lado norte das montanhas Jizera, no norte da Boêmia, foram inscritas na Lista do Patrimônio Cultural e Natural da UNESCO em julho de 2021. Trata-se de umas das últimas florestas de faias de montanha quase intocadas pelo homem na Europa.
Explorar