7 coisas que você não sabe sobre as bibliotecas tchecas

7 coisas que você não sabe sobre as bibliotecas tchecas

A mais bela biblioteca, livros secretos, um mapa incrível

HomeWhat's New7 coisas que você não sabe sobre as bibliotecas tchecas
Enquanto o mundo celebra o Dia do Livro em 4 de março, a República Tcheca comemora o Mês do Livro há quase 70 anos. Como essa tradição se originou? E como parece realmente o mundo dos belos livros, bibliotecas inteligentes, raridades e curiosidades bibliotecárias? Juntos também veremos a mais bela biblioteca do mundo, revelaremos os segredos dos livros presos em correntes e falaremos sobre um mapa incrível.

1. Março – Mês do Livro

Março foi celebrado pela primeira vez como Mês do Livro em 1955. O objetivo era levar os livros a todas as famílias, a todos os cantos do nosso país e à atenção do maior número de pessoas possível. No regime anterior, evidentemente havia muita literatura marxista-leninista, mas já naquele momento as bibliotecas e livrarias desempenhavam um papel principal em todo o projeto, então uma série de eventos, tertúlias ou saraus de poesia prescindiam de lastre ideológico. O plano foi muito bem sucedido: bibliotecas de empresa surgiram até mesmo em fábricas e fundições, o que gradualmente levou muitos leitores entusiasmados e ratos de biblioteca às bibliotecas municipais. Março continua a ser o mês dos livros até hoje: acontecem várias feiras de livros, editoras e livrarias apresentam-se com preços vantajosos de títulos.

2. A biblioteca mais bela do mundo

A biblioteca jesuíta barroca no Clementinum de Praga já foi muitas vezes descrita como a biblioteca mais bonita do mundo. Foi construída pelo mestre da arquitetura barroca Kilián Ignác Dientzenhofer, foi inaugurada em 1722 para fins de uma universidade jesuíta e sua aparência não mudou muito desde então. Ela contém 20.000 volumes de literatura teológica principalmente em língua estrangeira, enquanto livros com lombadas caiadas de branco e marcas vermelhas já estão aqui desde a era dos jesuítas. Além dos livros, vale destacar uma coleção de globos históricos, entre os quais estão colocados relógios astronômicos. A biblioteca jesuíta no Clementinum tornou-se uma das pedras angulares da Biblioteca Nacional da República Tcheca, a maior biblioteca do país e ao mesmo tempo uma das mais antigas bibliotecas públicas tchecas. A partir de 1782, os impressores de livros de Praga foram obrigados a enviar um exemplar de cada livro que produziam à Biblioteca Nacional; a partir de 1807 a obrigação estendeu-se aos impressores de toda a Boêmia, e isso se aplica aos editores até hoje.


Recordes das bibliotecas tchecas

O núcleo mais antigo das coleções históricas da Biblioteca Nacional de hoje consiste em manuscritos da Universidade Carolina. Seu fundador, Carlos IV, dedicou-lhe 114 manuscritos em 1370 do legado de Vilém de Lestkov, incluindo três códices. Os documentos mais antigos da biblioteca são papiros gregos do primeiro século d.C. O livro mais pesado da coleção do Clementinum é o Gradual de Lobkovic, que pesa mais de setenta quilos, e o mais valioso é o Kodex Vyssegradensis. Segundo os pesquisadores, era destinado à coroação real de Bratislau II da Boêmia em 15 de junho de 1086, e por isso às vezes é incluído nas joias da coroação tcheca. Seu valor é estimado em um bilhão de coroas.

4. Livros em correntes

Em algumas bibliotecas monásticas, os livros da Idade Média costumavam ser espalhados em balcões de leitura e amarrados em correntes. Os chamados „Libri catenati“ tinham que permanecer na biblioteca e não podiam ser retirados, pelo menos não sem a permissão dos bibliotecários. Só mais tarde os livros começaram a ser montados verticalmente nas estantes e as correntes foram gradualmente removidas; hoje o rastro delas é apenas um pequeno orifício na contracapa ou um ilhó de metal. No entanto, os livros em correntes são raros nas bibliotecas tchecas: foram descobertos, por exemplo, na biblioteca histórica da escola municipal de Jáchymov e na biblioteca do mosteiro franciscano em Cheb.

5. A biblioteca mais inteligente da República Tcheca: Técnica Nacional

A mais moderna na República Tcheca é a Biblioteca Técnica Nacional, em Dejvice, Praga, de 2009. É não apenas moderna, mas também ecológica, não precisa ser aquecida, e mesmo nos dias quentes de verão geralmente é suficiente sem ar condicionado. Todo o edifício é supervisionado por um sistema controlado por computador que mantém automaticamente as condições climáticas ideais nos interiores. A biblioteca armazena mais de 230.000 volumes de literatura técnica (capacidade total de até 660.000) e em três depósitos subterrâneos há espaço para mais 1,2 milhão de livros. Por dentro e por fora, a biblioteca parece um desenho técnico tridimensional e nas escadas há informações sobre o tempo que você leva para subir e ao mesmo tempo quantas calorias você queima.


6. O livro mais misterioro

Além da Bíblia do Diabo ou do Manuscrito Voynich, os manuscritos mais misteriosos incluem o Liber sapientiae / Livro da Sabedoria, um livro de bruxas escrito em alemão e latim. Surgiu em meados do século XVIII e seu autor até o assinou, mas ainda assim a sua identidade está envolta em mistério: ele usou o nome fictício de um adepto de ensinamentos secretos. O manuscrito resume as disciplinas individuais das ciências herméticas: magia teórica, cabala, alquimia e posteriormente magia prática com instruções para invocar anjos caídos e demônios. A obra é complementada por um série de imagens instrucionais repletas de simbolismo complexo e significados ocultos. A jornada que o livro percorreu até a Biblioteca Nacional também é incomum: durante o reinado do imperador José II, a guarda financeira deteve um contrabandista nas fronteiras e confiscou seus bens. Entre o contrabando detido foi encontrado um estranho livro do qual os financistas ficaram com medo. O próprio imperador então ordenou que fosse colocada na biblioteca jesuíta em Praga e que fosse mostrado a todos os visitantes como um exemplo ilustrativo de superstições sombrias e delírios prejudiciais.

7. Mapa da Morávia de Comenius

Jan Amos Comenius (350 anos de sua morte no ano passado) foi um homem excepcional que ofereceu ao mundo uma nova perspectiva pedagógica.  Não foi apenas professor, filósofo, teólogo e escritor, mas também cartógrafo. Seu mapa da Morávia é uma obra fascinante incluída nos mais variados atlas mundiais há 150 anos. Se foi publicado realmente pela primeira vez em 1624, Comenius não teve muito tempo para coletar os dados. Tinha apenas trinta e dois anos, e o mapa é um testemunho perfeito da sua versatilidade, habilidade e imensa diligência. O mapa mostra um total de 1.006 objetos, mas também montanhas e cordilheiras individuais, florestas e rios, são indicadas pontes, fontes curativas e balneários. Você também encontrará vidrarias e minas de minério de ferro, ouro e prata ou vinhedos. O mapa da Morávia de Comenius, considerado a obra cartográfica mais popular das terras tchecas de todos os tempos, não foi publicado em terras tchecas até 1677.  Não sabemos quantas impressões do mapa da Morávia de Comenius foram preservadas, mas é certo que, graças a várias dezenas de impressões, o Museu Comenius em Přerov é um dos maiores proprietários do mundo.